Quem sou eu

Minha foto
São Paulo, S.P., Brazil
Meu email:jcmreina@hotmail.com

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Feliz 2013





Para você ganhar belíssimo Ano Novo...
Não precisa fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.

Não precisa chorar de arrependimento
pelas besteiras consumadas nem
parvamente acreditar que por decreto

da esperança a partir de Janeiro
as coisas mudem e seja claridade,
recompensa, justiça entre os homens e as nações,

liberdade com cheiro e
gosto de pão matinal, direitos respeitados,
começando pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um ano-novo que mereça
este nome, você, meu caro, tem de
merecê-lo, tem de fazê-lo novo,

Eu sei que não é fácil mas tente,
experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
dorme e espera desde sempre.

(Desconheço autor)

sábado, 22 de dezembro de 2012

Feliz Natal



Um pouco abandonado o meu blog, mas decidi postar hoje. Passei por desilusões e frustrações que me fizeram triste e ao mesmo tempo mais forte. Tudo que passei este ano serviu para melhorar minha percepção a respeito de sentimentos. Aprendi que, quando demonstramos sentimentos demasiados à alguém que não se importa com nada disso, estamos nos desvalorizando como pessoas, perdendo o amor próprio sem perceber. Confesso que me tornei uma pessoa mais fria. Não consigo mais demonstrar sentimentos de carinho a alguém que talvez mereça. Não sei se foi culpa minha, mas os acontecimentos me fizeram assim e não sei se voltarei a ser aquele que escrevia textos e poemas inspirados em sentimentos verdadeiros que nunca foram correspondidos. Hoje me sinto incapaz de escrever. Por isso o abandono do meu blog, a ausência de novas postagens. Quem sabe eu consiga escrever mais, postar mais. No momento estou sem inspiração mesmo. Desejo a todos um FELIZ NATAL. 

sábado, 10 de novembro de 2012

Hino ao Amor

A versão original desta bela canção é "Hymne à L´amour" de Edith Piaf. Dalva de Oliveira fez sua versão, que ficou muito bela.

Hino ao Amor (Dalva de Oliveira)

Se o azul do céu escurecer
E a alegria na terra fenecer
Não importa, querido, viverei do nosso amor
Se tu és o sonho dos dias meus
Se os meus beijos sempre foram teus
Não importa, querido o amargor das dores desta vida
Um punhado de estrelas no infinito irei buscar
E aos teus pés esparramar
Não importa os amigos, risos, crenças e castigos
Quero apenas te adorar
Se o destino então nos separar
Se distante a morte te encontrar
Não importa, querido, porque morrerei também
Quando enfim a vida terminar
E dos sonhos nada mais restar
Num milagre supremo
Deus fará no céu eu te encontrar




domingo, 28 de outubro de 2012

Prêmio Dardos



Prêmio que recebi por indicação da querida Verinha do encantador blog: http://entrepensamentosesentimentos.blogspot.com.br/
Obrigado de coração Verinha pelo carinho e pela indicação do 
♣ Sobre o Tempo ♣ para o recebimento do prêmio!!!

O Prêmio Dardos foi criado pelo escritor espanhol Alberto Zambade que, 
em 2008, concedeu no seu blog Leyendas de “El Pequeño Dardo” o primeiro Prêmio Dardo a quinze blogs selecionados por ele. Ao divulgar o prêmio, Zambade solicitou aos blogs premiados que também indicassem outros blogs ou sites considerados merecedores do prêmio. 

Assim a premiação se espalhou pela Internet.

Segundo o seu criador, o Prêmio Dardo destina-se a “reconhecer os valores demonstrados por cada blogueiro diariamente durante seu empenho na transmissão de valores culturais, éticos, literários, pessoais etc., demonstrando, em suma, a sua criatividade por meio do seu 
pensamento vivo que permanece inato entre as suas palavras”.

As regras do prêmio estabelecem que os indicados, depois de dizerem quem os presenteou, poderão exibir no seu blog/site o selo do prêmio e deverão indicar outros dez, quinze ou vinte blogs ou sites que preencham os requisitos acima para o recebimento do prêmio. 

De acordo com as regras, segue abaixo os blogs que indico para o recebimento do prêmio: 

Catia Bosso: Catia Bosso Poesias - http://catiabossopoesias.blogspot.com.br/

Lúcia: Da Cadeirinha do Arruar-http://dacadeirinhadearruar.blogspot.com.br

Natália Campos: Seguindo a Canção - http://nataliacamposalves.blogspot.com.br/


Isa E. : Diário de Um Ano Bom - http://diariode1anobom.blogspot.com.br/

Daíse: Espicula de Rodinha - http://espiculaderodinha.blogspot.com.br/

Kédma Patrinni: Poesia- Poetry- Poesia - http://pattylima7.blogspot.com.br/

Maxwell : Sapere Aude - Ouse Saber - http://maxwell-alegoriadacaverna.blogspot.com.br/

Léia Bous: Escolhas - http://escolhasopus.blogspot.com.br/

Débora Andrade: Cotidiano Agridoce - http://cotidianoagridoce.blogspot.com.br/

Roberta Maia: Blog Luz por Roberta Maia - http://muitaluz2011.blogspot.com.br/

Angel: Confissões em Série - http://estigmaangel.blogspot.com.br/

Nel Santos: À Flor da Pele - http://nellsantos.blogspot.com.br/

Nelma Ladeira:O Cantinho de Nelma Ladeira- http://ocantinhodenelmaladeira.blogspot.com.br/

Adriano Silva: Morangos Verdes Mofados - http://morangosverdesmofados.blogspot.com.br/


Deixo Aqui um grande abraço a todos

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Saudade



Brincar na terra, rolar no mato, ser um guerreiro ou um super herói, daqueles vindos de outros planetas com a finalidade de defender a Terra das ameaças alienígenas.
Jogar bola no “terrão” e chegar em casa com a roupa toda suja depois do jogo. E ainda, mesmo todo sujo, pegar a bicicleta e ir até o parque do Carmo.
Passar o dia todo olhando para o céu, empinando pipa coma as mãos todas cortadas devido ao “cerol” utilizado na linha como arma e forma de defesa contra os outros que tentam o tempo todo derrubar “o seu pipa”.
Ter barulhentos carrinhos de rolimã, os quais perturbam a vizinhança com seus ruídos, por vezes, ensurdecedores. E é claro, contando com os espetaculares acidentes onde se machucam pés, mãos e outras partes do corpo.
Naqueles dias chuvosos, me divertia muito com meu “Atari” Jogando “Enduro”, “River Raid”, “Megamania”, “Pac Man” e outros. O “Atari”, mais tarde, substituído por “Nintendo”, “Super Nintendo”, “Play Station”...
Na escola, lembranças dos professores, dos amigos, das paixões não correspondidas, das namoradinhas, do primeiro beijo, da merenda. A merenda é um item muito interessante e curioso de ser lembrado. Lembro-me de quando nos serviam ovo cozido. Era um verdadeiro campo de batalha onde havia risco iminente de ser atingido a qualquer momento por um ovo perdido ou não. Explicando: com a intenção de atingir ou não.
Lembranças das idas a Santa Efigênia em busca de componentes eletrônicos para a construção de projetos que raramente funcionavam.
Ir ao cinema no centro não significava assistir filme pornográfico.
Os amores, bem, destes sinto saudades sim, mas sempre fica aquele que marca e que, se pudesse voltar o tempo, com certeza repetiria e tentaria de todas as formas nunca mais perdê-lo.
Enfim, saudade é um momento que tenta fugir da nossa lembrança para acontecer de novo e não consegue.

João C. M. Reina

sábado, 6 de outubro de 2012

O Amanhecer





Suas roupas misturadas com as minhas espalhadas pelo quarto. Nossos corpos nus repousando juntos como se não quisessem mais se separar. O semblante de quem vive o momento mais feliz de toda vida, me faz pensar que foi maravilhoso o que aconteceu e que valera a pena todo o tempo que se aguardou, todos os desentendimentos, angústias. Havia chegado o momento tão esperado e tão desejado. O desejo de tudo aquilo que vivemos naquelas 12 horas se repetir. O desejo de acordar todos os dias ao lado dela. O desejo de amar aquela mulher todos os dias até o final como se fosse sempre a primeira vez. Querer estar ao lado dela para sempre.
Nos vestimos, fomos caminhar na praia de mãos dadas, assistir o sol nascer. Ela larga minha mão por instantes e desenha um coração na areia escrevendo o meu nome e o dela. Volta a pegar minha mão, olha para meus olhos com um sorriso encantador e apaixonado. Irresistível não beija-la naquele momento, impossível esquecer aquele momento. Sentamos por um instante e ficamos contemplando o nascer do sol e aqueles navios que passavam ao longe, aquela brisa fresca fazendo o cabelo dela cair pelo seu rosto. O silêncio se fazia presente, apenas o som do mar e de alguns pássaros. Eu lembrando de como foi aquela noite maravilhosa, lembrando de quando nos conhecemos, de como nos conhecemos. Imaginando no que ela poderia estar pensando. Talvez a mesma coisa que eu. O rosto lindo dela com um sorriso que parecia não ter fim me convencia de que ela estava muito feliz. Percebi que estava vivendo um momento de felicidade plena. Descobri, finalmente, o que era a tal felicidade plena.

João C. M. Reina

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Procura-se um Coração




Notei hoje que me falta algo. Não sinto mais aquele coração que pulsava alegre no meu peito, cheio de desejo de amar e ser amado. No lugar sinto um vazio, sinto uma angustia infinita, uma frieza que me faz sentir arrepios e que me faz ficar distante, viajando nos meus pensamentos. Não sinto e não acredito que exista sinceridade em qualquer tipo de demonstração de carinho. Palavras não me comovem, beijos não me convencem, um abraço já não me causa emoção. Talvez, porque um abraço seja o encontro de dois corações.

João C. M. Reina


"Não deixe de acreditar no amor, mas certifique-se de estar entregando seu coração para alguém que dê valor aos mesmos sentimentos que você dá, manifeste suas idéias e planos, para saber se vocês combinam, e certifique-se de que quando estão juntos aquele abraço vale mais que qualquer palavra..."

Luís Fernando Veríssimo

"Gosto dessa definição: Abraço é o encontro de dois corações."

Cazuza

sábado, 15 de setembro de 2012

Perdoar


Precisamos nos colocar no lugar dos outros para compreendê-los. Compreendendo a pessoa que nos magoou, se torna mais fácil perdoa-la. O ato de perdoar nos encaminha a libertação de qualquer dor, nos abre o caminho para a felicidade. Perdoar não é o mesmo que deixar para lá ou empurrar emoções para debaixo do tapete, mas sim, compreender nossas mágoas e ressentimentos. É necessário perdoar não só os outros, mas também a nós mesmos. Somos diferentes uns dos outros. Temos dificuldades, inseguranças, carências. Quando tudo isso se confronta, entramos em crise existencial. Nos sentimos desamparados, decepcionados,amargurados, com ressentimentos. Não devemos esperar que as pessoas sempre terão o mesmo comportamento o tempo todo. Somos todos seres humanos. Seres humanos erram, acertam. Ninguém é igual sempre. O que fomos ontem, certamente não é mais o que somos hoje. Sentimentos, valores estão em constantes mudanças. Devemos ter consciência de que a mente tomada pela fúria, por mágoas demanda desgastes físico, mental, emocional. Perdemos muito com isso. Devemos eliminar pensamentos obsessivos, aqueles sentimentos que prejudicam nossos relacionamentos, nossos projetos, nossos desejos, nos impedindo de sermos amados, bem sucedidos, felizes. Portanto, sejamos felizes da melhor forma possível, evitando desentendimentos e ressentimentos.

João C. M. Reina 

domingo, 26 de agosto de 2012

Esperança




Estou aqui pensando se existe a possibilidade de alguém conseguir viver só, se existe a possibilidade de ser feliz sem ter uma companhia. É claro que precisamos estar bem, que devemos gostar de nós mesmos para sermos capazes de amar alguém. Mas será possível estar de bem com a vida quando estamos frustrados com uma procura que não chega ao fim? Será que é tão difícil de se encontrar aquela pessoa com quem podemos contar em todas as situações, aquela pessoa com quem temos prazer de estarmos juntos, aquela pessoa com quem podemos conversar sobre todos os assuntos, aquela pessoa que, ao invés de atacar num momento de dificuldade, nos de um abraço, sente ao nosso lado e nos de a chance de desabafo, de falar sobre o que nos aflige.
Eu penso que hoje em dia nos falta tolerância, companheirismo, amizade, amor. Hoje se pensa muito em consumismo, sexo, momentos de prazer e nada mais. O fato é que não é só de momentos de prazer que vivemos, mas também existem as dificuldades. Na maioria dos casos, quando surgem as dificuldades, as pessoas fogem, procuram uma válvula de escape que acaba sendo uma traição, uma procura de um “novo amor”, aquele que traga “momentos” de prazer, mascarando a vida real.
Algumas pessoas acham que sou romântico por escrever alguns textos ou poemas românticos. O que escrevo depende do meu estado emocional. Me inspiro naquilo que estou pensando, vivendo ou aquilo que gostaria de viver, mas nem sempre corresponde a realidade. Muitas vezes, fantasioso demais.
Vivemos de sonhos e nos cabe torná-los reais da melhor maneira possível. É claro que não podemos viver num mundo de fantasia, mas tornar este mundo um pouco mais agradável, solidário, honesto, tolerante, amoroso, não seria nada mau. Vamos sonhar, vamos amar, vamos ter ao nosso lado aquela pessoa que nos faz bem, que nos faz felizes pelo simples fato de estar ao nosso lado. Chego a conclusão que o ser humano não nasceu para viver só. Portanto, não viva só, não perca esperança e o entusiasmo por causa das decepções da vida. Felicidade a todos!

João C. M. Reina

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Cansado


Confesso que ando muito cansado, sabe? Mas um cansaço diferente… um cansaço de não querer mais reclamar, de não querer pedir, de não fazer nada, de deixar as coisas acontecerem. Confesso que às vezes me dão umas crises de choro que parecem não parar, um medo e ao mesmo tempo uma certeza de tudo que quero ser, que quero fazer. Confesso que você estava em todos esses meus planos, mas eu sinto que as coisas vão escorrendo entre meus dedos, se derramando, não me pertencendo. Estou realmente cansado. Cansado e cansado de ser mar agitado, de ser tempestade… quero ser mar calmo. Preciso de segurança, de amor, de compreensão, de atenção, de alguém que sente comigo e fale: “Calma, eu estou com você e vou te proteger! Nós vamos ser fortes juntos, juntos, juntos.” Confesso que preciso de sorrisos, abraços, chocolates, bons filmes, paciência e coisas desse tipo. Confesso, confesso, confesso. Confesso que agora só espero você.

Caio Fernando Abreu

sábado, 11 de agosto de 2012

sábado, 28 de julho de 2012

A Distância









Só em pensar que você está distante
Imaginar que você poderia estar bem perto
Pensar que sua presença se faz tão importante
Mesmo que estivéssemos juntos no deserto

Esta distância se faz extremamente angustiante
Pensar que agora você está com seu vestido rosa
Divertindo-se nesta festa contagiante
E eu aqui, pensando em lhe levar uma rosa

Vontade de olhar de perto os olhos teus
Saudade de sentir o perfume que exala do seu corpo
Desejo de sentir os seus lábios em contato com os meus
Necessidade de um abraço e sentir o calor do seu corpo...

João C.M. Reina

quinta-feira, 12 de julho de 2012

13 de Julho, dia mundial do rock


Em 13 de julho de 1985, Bob Geldof organizou o Live Aid, um show simultâneo em Londres na Inglaterra e na Filadélfia nos Estados Unidos. O objetivo principal era o fim da fome na Etiópia e contou com a presença de artistas como The Who, Status Quo, Led Zeppelin, Dire Straits, Madonna, Queen, Joan Baez, David Bowie, BB King, Mick Jagger, Sting, Scorpions, U2, Paul McCartney, Phil Collins (que tocou nos dois lugares), Eric Clapton e Black Sabbath.
Foi transmitido ao vivo pela BBC para diversos países e abriu os olhos do mundo para a miséria no continente africano. 20 anos depois, em 2005, Bob Geldof organizou o Live 8 como uma nova edição, com estrutura maior e shows em mais países com o objetivo de pressionar os líderes do G8 para perdoar a dívida externa dos países mais pobres erradicar a miséria do mundo.
Desde então o dia 13 de julho passou a ser conhecido como Dia Mundial do Rock.


Abaixo, um vídeo com uma musica da banda Led Zeppelin...



domingo, 8 de julho de 2012

O Encontro







Eu estava naquele restaurante, numa cidade desconhecida, aguardando o meu amor chegar. Me sentia nervoso, me sentia um adolescente, ansiedade, preocupação. Pedi uma dose de “Red” para relaxar. Eu não parava de olhar para a entrada do restaurante. Finalmente ela chega deslumbrante, naquele vestido preto que a tornava sensual e exuberante. Ela me viu, veio em minha direção. Me levantei, nos abraçamos, um beijo discreto, puxei a cadeira, ela se sentou, logo em seguida me sentei. O garçom nos trouxe o cardápio. Ficamos por alguns instantes nos olhando, sem dar a menor atenção ao cardápio. Sorrimos... Então percebi que tinhamos que pedir algo. Perguntei a ela o que queria. Decidimos beber vinho. Pedimos o prato especial da casa. Conversamos muito, demos risadas, uma noite agradável, um jantar inesquecível.
Chegou o momento de pedir a conta, saímos do restaurante de mãos dadas, caminhando lentamente. Lá fora, nos abraçamos, um beijo demorado e apaixonado, senti o perfume dela bem de perto, um doce perfume que me deixava numa situação complicada, que me dava um desejo incontrolável de que a noite não terminasse ali. Caminhamos um pouco, nos sentamos num banco de praça que havia ali próximo. Nos abraçamos, nos beijamos por algum tempo e perguntei:
    • Para onde vamos minha querida?
Ela disse:
    • Para onde você me levar, meu bem...


João C. M. Reina

sábado, 23 de junho de 2012

Primeiro Encontro








Era um lugar muito bonito, um parque. Havia um belo lago. Ela sentada num banco, me aguardando. Eu não estava atrasado, mas ela estava adiantada. Observei que ela usava uma calça jeans, uma jaqueta preta. Usava óculos de sol, pois o sol estava bem claro, apesar daquela manhã fria. Fui caminhando em sua direção. As pernas tremiam, as mãos também. Não sabia se caminhava mais rápido ou se mantinha aquele mesmo ritmo. Cheguei perto, sentei ao seu lado. Ela tirou os óculos e ficou me olhando com um sorriso, me olhando nos olhos com aqueles olhos azuis. Deve ter durado alguns segundos ou minutos, não sei. Aquele momento foi como se o tempo tivesse parado. Um momento que percebemos haver algo muito forte entre nós. Me levantei, ela também se levantou. Nos abraçamos, um abraço forte e delicioso, daqueles que da para sentir os batimentos cardíacos da pessoa. Nos beijamos, aquele beijo doce e molhado, aquele sentimento de estar no céu ou paraíso. Aquele sentimento de estarmos sózinhos naquele lugar onde nada mais importava, onde não existiam preocupações. Por um momento, encostamos testa com testa, ficavamos sorrindo e nos olhando nos olhos. Saímos de mãos dadas pelo parque. Não havia preocupação com tempo, não havia pressa. Tinhamos o tempo todo para estarmos juntos, uma vontade de estarmos sempre juntos, um sentimento de ter encontrado aquela pessoa que tanto se procura, o sentimento de ter encontrado a tão procurada alma gêmea.

João C.M. Reina

domingo, 22 de abril de 2012

Escolha o seu dia





Hoje levantei cedo pensando no que tenho a fazer antes que o relógio marque meia noite. É minha função escolher que tipo de dia vou ter hoje. Posso reclamar porque está chovendo ou agradecer às águas por lavarem a poluição. Posso ficar triste por não ter dinheiro ou me sentir encorajado para administrar minhas finanças, evitando o desperdício. Posso reclamar sobre minha saúde ou dar graças por estar vivo. Posso me queixar dos meus pais por não terem me dado tudo o que eu queria ou posso ser grato por ter nascido. Posso reclamar por ter que ir trabalhar ou agradecer por ter trabalho. Posso sentir tédio com o trabalho doméstico ou agradecer a Deus. Posso lamentar decepções com amigos ou me entusiasmar com a possibilidade de fazer novas amizades. Se as coisas não saíram como planejei posso ficar feliz por ter hoje para recomeçar. O dia está na minha frente esperando para ser o que eu quiser. E aqui estou eu, o escultor que pode dar forma. Tudo depende só de mim.

Charles Chaplin


sábado, 31 de março de 2012

Abriram mais uma nova religião: "Mc Jesus Feliz"




Tornou-se comum ouvirmos notícias que não raro envolvem fé e bens, religião e dinheiro, aproximando estas duas categorias estranhas ao verdadeiro cristianismo. Em que pese que as igrejas estão inseridas no sistema capitalista, a tendência recente parece levar algumas a mudar sua linguagem e objetivos. Alguns homens de igreja sintonizados com a globalização da economia, já falam da igreja como "empresa rentável", de "marketing da fé", "investimento em Deus", etc. Este artigo toma como ponto de partida outro publicado tempos atrás no Jornal do Brasil, "Os novos vendilhões dos templos", cujos autores e data não me recordo. A Seguir, algumas observações em aberto às críticas.

Primeira, os escândalos e suspeitas de falta de ética envolvendo dinheiro, mais aparecem nas chamadas igrejas neopentencostais do que nas tradicionais denominadas litúrgicas e congregacionais.

Segunda, nas neopentencostais, ficamos sabendo que qualquer pessoa sem uma sólida formação teológica, ou mesmo de passado imoral ou até mesmo gente que veio do mundo do crime, basta que esta diga que foi tocada pelo Altíssimo onde se supõe que o Espírito Santo se manifestou em seu corpo e logo é promovida a "pastor" e os mais ousados fundam de uma nova igreja cujo nome nem sempre é original ou de inspiração elevada. Ou seja, deveria existir enorme distância entre a conversão de um criminoso e a sua ordenação a pastor, mas o que se sabe é a recente inauguração de um caminho de promoção pessoal e funcional quase divino, que, queima etapas em prol de mais um agente do sistema capitalista de montagem de "franquias" de um novo templo.

Por tradição e bom senso, a formação de religiosos sempre foi longa, difícil, ritualística, e com certas provas de sacrifícios. Hoje, não. Em tempos em que a sociedade pós-industrial acena para nos sofisticarmos cada vez mais em novas formações e reciclagens para acompanharmos o acelerado dinamismo do mercado global, há igrejas fundamentalistas caminhando na contramão, promovendo a ignorância e fanatismo, e também inexcrupulosamente explorando almas ingênuas nos seus propósitos inconfessos. Tradicionalmente, o campo da fé sempre foi cenário de erros, errâncias ou ilusões de pessoas cientificamente ingênuas, mas nos tempos atuais, não devemos confundir esses com os erros imorais praticados por tanto por pessoas inescrupulosas como por uma ou outra estrutura religiosa (na maioria, seitas) que por vêzes "deforma" ou autoriza seus pastores a lucros exorbitantes pessoais em nome da fé. Nesse último sentido, ainda há aqueles que distinguem-se pela "moral cínica", segundo S. Sikek, são pessoas imorais que sabem que estão roubando, mas mesmo assim, ainda vem a público tentar argumentar que frases de efeito hipnotizador ao seu público fanático, que na maioria das vezes, parece acreditar na sua mentira cínica.

Terceira, a sociedade ao responsabilizar o médico, o dentista, o psicólogo, o advogado, quando estes erram. Sabe a quem se dirigir para os denunciar (os Conselhos Regionais das Profissões, a Faculdade que o formou, o MEC que autorizou, o Hospital a que pertence, etc), mas no caso do pastor que erra ou da igreja que age de modo imoral, a quem as pessoas lesadas vão denunciar? Será que os pastores tendem a pensar que só tem contas a prestar a Deus e nenhuma aos homens? Ora, os policiais tem uma corregedoria para investigar desvios e excessos de autoridade, será que os responsáveis pelas igrejas, sob pena de um dia cair no descrédito social, não deveria também ter uma "Corregedoria Moral de Igrejas e Profissionais da Fé" para investigar, julgar e punir os que pervertem a moral cristã?

Quarta, nas igrejas cristãs tradicionais, predominam a discrição e o comedimento nas campanhas do dízimo e, se pensarmos para além da relação dinheiro X igreja, na relação fé X métodos morais, também, nas tradicionais parece existir certa racionalidade nas interpretações dos textos sagrados, há um esforço em fazer ligação dos textos com os problemas do povo, ou seja, vão além da repetição vazia de conteúdo e cheia de emocionalismos que expulsa uma certa razão da práxis teológica. Nos cultos neopentencostais, a voz dos pastores chega a ser estridente, com gestos teatrais em abundância, com insinuações as vezes de mau gosto, que curiosamente parece agradar uma parcela inculta da população propensa ao "êx-tase" (a ficar fora de si), e, também, elevar o narcisismo do pastor a showman da fé,(como foi caricaturado no filme "Fé demais não cheira bem"). Pois bem, o poder de persuasão do pastor faz uso abusivo dos testemunhos, das profecias, dos exorcismos e também há venda de bugigangas supostamente "santificadas". Num determinado momento do culto, na maioria das novas igrejas, o discurso do pastor é construído para exercer uma pressão psicológica para os presentes pagarem o dízimo, não de acordo com o que cada um pode dar, mas de acordo com o que a igreja (que são eles próprios) precisa ou exige. Pode-se até mesmo levantar a hipótese de que essa pressão psicológica, em vários situações, trata-se de "assédio moral" (Hirigoyen, M.-F. Ed., Bertrand Brasil, 2000), na medida em que muitas pessoas silenciosamente sentem-se mais que exploradas, sentem-se indefesas, vitimadas e, se não entregaram suas economias aqueles que pressionam, sentem culpa ou remorso. Tudo é programado segundo o princípio do "vale tudo", desde que se consiga a encenação de uma uma pseudo-cura, uma fala que agrade quem está ouvindo. O "vale tudo" neopentencostal vive a dimensão terrena, se interessa pela expansão da igreja não importa se transformada em empresas e franquias; mais importante de tudo é a prosperidade, sinal que Deus está gratificado também quem é esperto em função de uma causa divina.

Quinta observação, apesar delas negarem, estudos apontam que há pontos em comum entre as igrejas cristãs neopentencostais e as religiões afro-brasileiras. Há, em ambas, a crença em "superstições", "arrebatamentos", "incorporações" de entidades e de demônios. "A pregação de boa parte do neopentencostalismo está baseada no diabo; de vez em quando Deus aparece"(CF).Ambas, há superstições presentes na venda de óleos santificados, de sal, água para combater doenças, expulsar demônios, a concessão de bênçãos por meio de imposição das mãos sobre dores, carteiras de trabalho, retratos, nomes de pessoas em pedaços de papel, etc. Não é de se estranhar que, os pastores mais capazes de "curas" e "expulsão dos demônios", antes de se converterem na nova fé passaram pelas igrejas afro-brasileiras.

Até mesmo a Bíblia tem sido usada não para leitura e exegese da palavra de Deus, mas como simples amuleto, um patuá contra mau olhado, encostos, presença de espíritos imundos, etc. Tal prática foi classificada por Pr. Caio Fábio como "mãe de todas as heresias".

É espantoso reconhecer que as igrejas "dinheiristas" conseguiram caminhar na contramão de Lutero, o "pai do protestantismo" que, nas 95 teses contra as indungências, pregava contra o comércio de objetos sagrados, fetiches, etc. Novamente, é a "moral cínica" dirigindo o destino da instituição e de seus agentes: "eles sabem que exploram, mesmo assim continuam explorando e justificando o quanto seu gesto é moral!". Na verdade, esse espírito da fé que poderíamos denominar de "pós-moderno", está sintonizado com o capitalismo pós-moderno ou pós-industrial: tende a se espalhar rapidamente e a qualquer preço, a exemplo do Mc Donald's, ora tem um discurso aparentemente sofisticado e moral, mas que esconde sua verdadeira moral cínica.

Assim como vem caindo a credibilidade social dos políticos e governantes, receio que está em marcha no imaginário das pessoas o mesmo processo de queda da confiança nos homens de igreja que profanam o espaço do sagrado, invertendo valores e a moral. Em breve poderemos ter uma onda gigante de frustração coletiva diante das novas seitas. É possível imaginar um povo carente, sem esperança no poder político, nos serviços públicos, jovens sem perspectiva de emprego no futuro, e também esvaziados na fé e nos sonhos. Na Europa, no início do terceiro milênio, a maioria da população está descrente em "Jesus" e "Deus", conforme reportagem da Veja (jun/2001). Não seria devido a essas contradições e desgastes dos nomes divinos que tantas vezes foram invocados e usados em vão?

Não nos esqueçamos de São Lucas, sobre os vendilhões do templo. Precisamos ir para além de ouvir, escutar; para além de ver, enxergar. Para além de cegamente crer, refletir e melhorar nossas ações.


 RAYMUNDO DE LIMA: Professor do DFE-UEM e membro da BFC-Centro de Psicanálise, de Curitiba. Publicado na REA, nº 02, julho de 2001, disponível em http://www.espacoacademico.com.br/002/02ray.htm

sábado, 17 de março de 2012

Deus segundo Spinoza















As palavras abaixo são de Baruch Spinoza - nascido em 1632 em
Amsterdã, falecido em Haia em 21 de fevereiro de 1677, foi um dos
grandes racionalistas do século XVII dentro da chamada Filosofia
Moderna, juntamente com René Descartes e Gottfried Leibniz.
Era de
família judaica portuguesa e é considerado o fundador do criticismo
bíblico moderno. Acredite, essas palavras foram ditas em pleno Século
XVII.


 DEUS SEGUNDO SPINOZA   ( Deus falando com você )

“Pára de ficar rezando e batendo o peito! O que eu quero que faças é
que saias pelo mundo e desfrutes de tua vida.
Eu quero que gozes, cantes, te divirtas e que desfrutes de tudo o que
Eu fiz para ti.

Pára de ir a esses templos lúgubres, obscuros e frios que tu mesmo
construíste e que acreditas ser a minha casa.
Minha casa está nas montanhas, nos bosques, nos rios, nos lagos, nas
praias. Aí é onde Eu vivo e aí expresso meu amor por ti.

Pára de me culpar da tua vida miserável: Eu nunca te disse que há algo
mau em ti ou que eras um pecador, ou que tua sexualidade
fosse algo mau.
O sexo é um presente que Eu te dei e com o qual podes expressar teu
amor, teu êxtase, tua alegria. Assim, não me culpes por tudo
o que te fizeram crer.

Pára de ficar lendo supostas escrituras sagradas que nada têm a ver
comigo. Se não podes me ler num amanhecer, numa paisagem,
no olhar de teus amigos, nos olhos de teu filhinho... Não me
encontrarás em nenhum livro!
Confia em mim e deixa de me pedir. Tu vais me dizer como fazer meu trabalho?

Pára de ter tanto medo de mim. Eu não te julgo, nem te critico, nem me
irrito, nem te incomodo, nem te castigo. Eu sou puro amor.

Pára de me pedir perdão. Não há nada a perdoar. Se Eu te fiz... Eu te
enchi de paixões, de limitações, de prazeres, de sentimentos,
de necessidades, de incoerências, de livre-arbítrio. Como posso te
culpar se respondes a algo que eu pus em ti?
Como posso te castigar por seres como és, se Eu sou quem te fez? Crês
que eu poderia criar um lugar para queimar
a todos meus filhos que não se comportem bem, pelo resto da
eternidade? Que tipo de Deus pode fazer isso?

Esquece qualquer tipo de mandamento, qualquer tipo de lei; essas são
artimanhas para te manipular, para te controlar,
que só geram culpa em ti.

Respeita teu próximo e não faças o que não queiras para ti. A única
coisa que te peço é que prestes atenção a tua vida,
que teu estado de alerta seja teu guia.

Esta vida não é uma prova, nem um degrau, nem um passo no caminho, nem
um ensaio, nem um prelúdio para o paraíso.
Esta vida é o único que há aqui e agora, e o único que precisas.

Eu te fiz absolutamente livre. Não há prêmios nem castigos. Não há
pecados nem virtudes. Ninguém leva um placar.
Ninguém leva um registro.
Tu és absolutamente livre para fazer da tua vida um céu ou um inferno.
Não te poderia dizer se há algo depois desta vida, mas posso te dar um
conselho. Vive como se não o houvesse.
Como se esta fosse tua única oportunidade de aproveitar, de amar, de
existir. Assim, se não há nada,
terás aproveitado da oportunidade que te dei.
E se houver, tem certeza que Eu não vou te perguntar se foste
comportado ou não. Eu vou te perguntar se tu gostaste,
se te divertiste... Do que mais gostaste? O que aprendeste?

Pára de crer em mim - crer é supor, adivinhar, imaginar. Eu não quero
que acredites em mim. Quero que me sintas em ti.
Quero que me sintas em ti quando beijas tua amada, quando agasalhas
tua filhinha, quando acaricias
teu cachorro, quando tomas banho no mar.

Pára de louvar-me! Que tipo de Deus ególatra tu acreditas que Eu seja?
Me aborrece que me louvem. Me cansa que agradeçam.
Tu te sentes grato? Demonstra-o cuidando de ti, de tua saúde, de tuas
relações, do mundo.
Te sentes olhado, surpreendido?... Expressa tua alegria! Esse é o
jeito de me louvar.

Pára de complicar as coisas e de repetir como papagaio o que te
ensinaram sobre mim. A única certeza é que tu estás aqui,
que estás vivo, e que este mundo está cheio de maravilhas Para que
precisas de mais milagres?
Para que tantas explicações?
Não me procures fora! Não me acharás. Procura-me dentro... aí é que
estou, batendo em ti.

quinta-feira, 8 de março de 2012

A Mulher que Passa







Esta postagem, dedico as mulheres que ainda acreditam no romantismo e na existência de homens que se importam com o que elas pensam e sentem e que as tratam com amor, respeito e carinho.
Penso que ninguém escrevia poemas e letras de música que falam das mulheres de forma tão expressiva como Vinícius de Moraes.



A mulher que passa



Meu Deus, eu quero a mulher que passa
Seu dorso frio é um campo de lírios
Tem sete cores nos seus cabelos
Sete esperanças na boca fresca!
Oh! como és linda, mulher que passas
Que me sacias e suplicias
Dentro das noites, dentro dos dias!

Teus sentimentos são poesia
Teus sofrimentos, melancolia.
Teus pelos leves são relva boa
Fresca e macia.
Teus belos braços são cisnes mansos
Longe das vozes da ventania.

Meu Deus, eu quero a mulher que passa!

Como te adoro, mulher que passas
Que vens e passas, que me sacias
Dentro das noites, dentro dos dias!
Por que me faltas, se te procuro?
Por que me odeias quando te juro
Que te perdia se me encontravas
E me concontrava se te perdias?

Por que não voltas, mulher que passas?
Por que não enches a minha vida?
Por que não voltas, mulher querida
Sempre perdida, nunca encontrada?
Por que não voltas à minha vida
Para o que sofro não ser desgraça?

Meu Deus, eu quero a mulher que passa!
Eu quero-a agora, sem mais demora
A minha amada mulher que passa!

Que fica e passa, que pacífica
Que é tanto pura como devassa
Que bóia leve como a cortiça
E tem raízes como a fumaça.

Vinícius de Moraes

segunda-feira, 5 de março de 2012

Reconhecimento

Muitas vezes ficamos frustrados e nos sentimos tristes pelo não reconhecimento de nossos atos. Por muitas vezes passamos despercebidos e anônimos quando desempenhamos um ato heróico ou um simples ato de ceder um lugar para um idoso no onibus. O fato é que, na verdade, nossos atos nunca passam despercebidos. Para quem acredita que exista um criador e que o mandamento "Ama a teu próximo como a ti mesmo" realmente deve ser seguido, então não há motivo para ficarmos tristes por acharmos que ninguém está vendo nossos esforços para tornar um mundo melhor. 
Abaixo temos um vídeo profundo e cheio de espiritualidade. Vale a pena ver.


segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Perfeição

"Vamos curtir o carnaval, discutir o futebol, assistir Big Brother. É isso que nossos governantes querem, um povo bem ocupado com coisas fúteis, um povo desinteressado dos acontecimentos que realmente deveriam merecer atenção. Brasil é só festa, país da imoralidade, de um povo passivo que merece os governantes que tem."



Perfeição (Legião Urbana)

Vamos celebrar
A estupidez humana
A estupidez de todas as nações
O meu país e sua corja
De assassinos
Covardes, estupradores
E ladrões...
Vamos celebrar
A estupidez do povo
Nossa polícia e televisão
Vamos celebrar nosso governo
E nosso estado que não é nação...
Celebrar a juventude sem escolas
As crianças mortas
Celebrar nossa desunião...
Vamos celebrar Eros e Thanatos
Persephone e Hades
Vamos celebrar nossa tristeza
Vamos celebrar nossa vaidade...
Vamos comemorar como idiotas
A cada fevereiro e feriado
Todos os mortos nas estradas
Os mortos por falta
De hospitais...
Vamos celebrar nossa justiça
A ganância e a difamação
Vamos celebrar os preconceitos
O voto dos analfabetos
Comemorar a água podre
E todos os impostos
Queimadas, mentiras
E seqüestros...
Nosso castelo
De cartas marcadas
O trabalho escravo
Nosso pequeno universo
Toda a hipocrisia
E toda a afetação
Todo roubo e toda indiferença
Vamos celebrar epidemias
É a festa da torcida campeã...
Vamos celebrar a fome
Não ter a quem ouvir
Não se ter a quem amar
Vamos alimentar o que é maldade
Vamos machucar o coração...
Vamos celebrar nossa bandeira
Nosso passado
De absurdos gloriosos
Tudo que é gratuito e feio
Tudo o que é normal
Vamos cantar juntos
O hino nacional
A lágrima é verdadeira
Vamos celebrar nossa saudade
Comemorar a nossa solidão...
Vamos festejar a inveja
A intolerância
A incompreensão
Vamos festejar a violência
E esquecer a nossa gente
Que trabalhou honestamente
A vida inteira
E agora não tem mais
Direito a nada...
Vamos celebrar a aberração
De toda a nossa falta
De bom senso
Nosso descaso por educação
Vamos celebrar o horror
De tudo isto
Com festa, velório e caixão
Tá tudo morto e enterrado agora
Já que também podemos celebrar
A estupidez de quem cantou
Essa canção...
Venha!
Meu coração está com pressa
Quando a esperança está dispersa
Só a verdade me liberta
Chega de maldade e ilusão
Venha!
O amor tem sempre a porta aberta
E vem chegando a primavera
Nosso futuro recomeça
Venha!
Que o que vem é Perfeição!...

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Duelo

O filme "Amargo Pesadelo" estava sendo rodado no interior dos Estados Unidos. O diretor fez a locação de um posto de gasolina nos confins do mundo, onde aconteceria uma cena entre vários atores contracenando com o proprietário do posto onde ele também morava com sua mulher e filho. Este último autista e nunca saía do terreno da casa.
A equipe parou no posto de gasolina para abastecer e aconteceu a cena mais marcante que o diretor teve a felicidade de encaixar no filme.

Num dos cortes para refazer a cena do abastecimento, um dos atores que sendo músico sempre andava acompanhado do seu instrumento de cordas aproveitando o intervalo da gravação e já tendo percebido a presença de um garoto que dedilhava um banjo na varanda da casa aproximou-se e começou a repetir a sequência musical do garoto.

Como houve uma "resposta musical" por parte do garoto, o diretor captou a importância da cena e mandou filmar. O restante vocês verão no vídeo.

Atentem para alguns detalhes:
- O garoto é verdadeiramente um autista;
- ele não estava nos planos do filme;
- A alegria do pai curtindo o duelo dos banjos... dançando
- A felicidade da mãe captada numa janela da casa;
- A reação autêntica de um autista quando o ator músico quer cumprimentá-lo.

Vale a pena o duelo, a beleza do momento e, mais que tudo, a alegria do garoto.
A sua expressão. No início está distante, mas, à medida que toca o seu banjo, ele cresce com a música e vai se deixando levar por ela, até transformar a sua expressão num sorriso contagiante, transmitindo a todos a sua alegria.
A alegria de um autista, que é resgatada por alguns momentos, graças a um violão forasteiro. O garoto brilha, cresce e exibe o sorriso preso nas dobras da sua deficiência, que a magia da música traz à superfície.
Depois, ele volta para dentro de si, deixando a sua parcela de beleza eternizada "por acaso" no filme "Amargo Pesadelo" (Ano: 1972).   (Desconheço autor do texto)

video


domingo, 5 de fevereiro de 2012

Desorientado



Desorientado


Paixão que não é correspondida
Pensamentos que andam desorientados
Sentimento que se tornou dúvida
Sentimento que não pode ser controlado


O desejo da paixão correspondida
Encontrar o amor verdadeiro
Tentativas sempre mal sucedidas
Assim como encontrar uma agulha num palheiro

Portas que insistem em abrir
Caminhos que insistem em aparecer
Vontade alguma de seguir
Esperança de um novo amanhecer.


João C.M. Reina

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

São Paulo


A cidade de São Paulo foi fundada em 1554 por padres jesuítas e hoje comemora 458 anos.
São Paulo é a sexta maior cidade do mundo com uma população de 19 223 897 habitantes e
é a quarta aglomeração urbana do mundo (segundo wikipedia).

Bandeira e brasão da cidade de São Paulo:
Lema: NON DVCOR DVCO (não sou conduzido, conduzo)


 Quarto Centenário


São Paulo,terra amada,
Cidade imensa de grandeza mil
És tu, terra adorada,
Progresso e glória do meu brasil

Ó terra bandeirante
De quem se orgulha a nossa nação
DEste Brasil gigante
Tu és a alma e o coração
II
Salve o grito do ipiranga
Que a história consagrou
Foi em ti,ó meu São Paulo,
Que o Brasil se libertou

O teu quarto centénario
Festejamos com amor
Teu trabalho fecundo mostra
Ao mundo inteiro o teu valor

III

Ó linda terra de Anchieta
Do bandeirante destemido
Um mundo de arte e beleza
Em ti tem sido construido

Tens tua noites adornadas
Pela garoa em denso véu
Sobre os teus edifícios
Que até parecem chegar ao céu



Letra - José Manoel Alves
Musica - Mário Zan
Gravação em disco - Mário Zan em 1954




Seguidores